Albergues Noturnos do Porto precisam de apoio para acolher mais pessoas

Terminam já no mês de dezembro as obras no edifício da Associação dos Albergues Noturnos do Porto, mas ainda estão em falta muitos bens essenciais.
O objetivo “é dar dignidade a quem mais precisa e melhorar o conforto”, explica Luís Miguel Neves, diretor da Associação dos Albergues Noturnos do Porto (AANP) em declarações à Lusa.
As obras arrancaram em julho de 2015 e prevê-se que estejam concluídas até ao final deste ano. No cômputo global irá acolher 75 sem-abrigos (60 homens e 15 mulheres) e oferecer aquecimento, instalações sanitárias, chão e paredes renovadas.
As obras de fundo estão garantidas, mas faltam ainda o mobiliário e outros bens necessários, tais como roupa de cama ou equipamentos básicos. Para colmatar estas necessidades, a instituição apela à solidariedade da sociedade civil. “Podem ser 15 euros, que dá para comprar lençóis, ou podem ser 200 euros que dá para comprar uma cama”, exemplifica Luís Miguel Neves, explicando que a comparticipação da Segurança Social não é suficiente para apoiar o aumento da capacidade de alojamento a partir de janeiro do próximo ano.
O investimento nas obras de fundo que o imóvel dos Albergues Noturnos recebeu – mais de meio milhão de euros – significa “um tremendo esforço financeiro para continuar a ajudar pessoas em pobreza extrema”, um trabalho que a instituição faz desde 1881 na cidade do Porto.
Os Albergues Noturnos têm constantemente o espaço com “lotação esgotada” e todos os dias aparecem mais pedidos para alojamento, principalmente de utentes assinalados pela Segurança Social e unidades hospitalares que sofrem de patologias psiquiátricas, como esquizofrenia, ou que são toxicodependentes. Para além dos alojados, os Albergues Noturnos fornecem 99 refeições diariamente à comunidade.