Comércio Eletrónico: motor de angariação de fundos

A eSolidar (www.esolidar.com) nasceu com o objetivo de aproximar a comunidade das instituições de solidariedade, permitindo que para além do comércio eletrónico, fosse possível a qualquer pessoa comprar artigos das lojas solidárias de instituições de solidariedade, fazer donativos, pedir para ser voluntário e colocar artigos à venda ou doá-los. O Impulso Positivo falou com Marco Barbosa, Diretor Executivo da eSolidar, para saber mais.

 

Impulso Positivo (IP): Quando e como nasceu a eSolidar?

Marco Barbosa (MB): A eSolidar nasceu de uma análise de mercado onde verificámos que existe uma grande distância entre a comunidade e as instituições de solidariedade e uma enorme dificuldade em apoiá-las, de forma simples. O comércio eletrónico, sendo um mercado gigantesco, pode ter um papel muito importante no processo de angariação de fundos para as causas sociais. Foi assim que, juntamente com os nossos investidores iniciais, a BusyAngels, decidimos que tínhamos de fazer algo para criar um ecossistema sustentável e que pudesse criar impacto social. Queríamos dar ferramentas às instituições e à comunidade que permitissem otimizar o processo de sustentabilidade das instituições.

 

IP: Como é constituída a equipa por trás da eSolidar?

MB: Atualmente somos 6 pessoas. Para além de mim, temos um responsável pela parte financeira e de operações, uma colaboradora focada no apoio e suporte às instituições de solidariedade, uma colaboradora no Marketing, um programador de back-end e um responsável pelo front-end.

 

IP: Já são uma organização sustentável? Contam com que tipo de apoios?

MB: Ainda não. Mas para lá caminhamos. O nosso objetivo, neste momento, é crescer e escalar a plataforma de forma a criar cada vez mais impacto social. Aplicamos pequenas taxas de sucesso quando existem transações, num modelo win-win. A nível financeiro, temos o apoio de Business Angels e Capitais de Risco, nomeadamente, a BusyAngels e a Portugal Ventures.

 

IP: Quem pode usufruir desta plataforma e de que forma?

MB: Qualquer pessoa e qualquer instituição de solidariedade que tenha uma missão social. Qualquer pessoa pode vender as suas coisas, comprar artigos, fazer donativos, licitar leilões solidários, pedir para ser voluntário e colocar artigos para doar a instituições.

 

IP: Quais os resultados já alcançados e onde querem chegar a curto, médio prazo?

MB: Já angariámos quase 30 mil euros para diversas instituições de solidariedade. Contamos com quase 15 mil pessoas registadas e cerca de 250 instituições. Estamos neste momento a expandir para o Reino Unido. Pretendemos chegar ao final do ano com mais de 100 mil euros angariados e com um crescimento sustentável também no Reino Unido. A longo prazo, vamos ter uma plataforma que será muito mais do que podemos ver neste momento e avançaremos também para os Estados Unidos.