Negócios que trazem "mudanças positivas na sociedade"

A iniciativa mundial ‘Chivas The Venture’ tem um milhão de dólares para apoiar o desenvolvimento dos projetos das empresas vencedoras. A fase de candidaturas já encerrou e, agora, é o público quem decide. O Impulso Positivo quis saber mais sobre esta iniciativa e, claro, sobre como pode apoiar os candidatos portugueses.

Impulso Positivo (I. P.) : O que é o Chivas The Venture?
Bruno Calvão, Head of Marketing da Pernod Ricard Portugal (B. C.) : O Chivas The Venture é uma iniciativa global que pretende apoiar negócios inovadores com fins lucrativos, em fase de startup ou de crescimento, que tenham como objetivo introduzir uma mudança positiva na sociedade. O The Venture foi criado para apoiar os empreendedores que veem os negócios como uma força do bem. Este concurso é aberto a todas as startups e empresas em fase de crescimento com fins lucrativos que pretendam criar valor, tanto financeiro como social, através de um modelo de negócio que resolva ou diminua um problema social ou ambiental. Todas as empresas interessadas devem efetuar as suas candidaturas para a 3ª edição do “Chivas The Venture” até ao dia 2 de dezembro, através da página https://www.theventure.com/pt, onde podem ainda consultar as condições de participação.


(I. P.) : E como nasceu este concurso internacional?
(B. C.) : Desde a fundação da marca Chivas, o empreendedorismo tem sido um dos pilares da sua atuação. No início, esta preocupação dos irmãos Chivas expressava-se sobretudo ao nível da comunidade local, tendo vindo a ganhar esta dimensão à escala global, nomeadamente através do projeto The Venture. Faz parte do ADN da marca procurar marcar a diferença, e por isso a Chivas estará sempre disposta a apoiar aqueles que tentam fazer do mundo um lugar melhor.
O principal objetivo da Chivas ao lançar esta iniciativa – para além de possibilitar o crescimento de empresas com negócios que podem de facto criar uma mudança positiva na vida das pessoas – é posicionar a marca junto de um grupo de consumidores em ascensão social e profissional que em tudo se identifica com os valores de Chivas: a vontade de mudar o mundo, de gerar negócio ao mesmo tempo que impacta positivamente a sociedade, e de partilha das melhores coisas da vida.

O investimento da marca nos projetos/ideias, para além da vertente financeira, que é bastante importante na fase de crescimento de uma empresa, passa muito também pela visibilidade que proporciona aos finalistas e o acesso a uma grande rede de contactos de empresas e grandes personalidades do mundo dos negócios e antigos empreendedores com quem têm a possibilidade de aprender, receber formação e trocar ideias para os seus negócios.

Nesta iniciativa, é ainda importante destacar o papel do IES - Social Business School, uma escola de negócios focada no Empreendedorismo e Inovação Social, que se junta à marca Chivas em Portugal para proporcionar a ligação certa com a comunidade de changemakers locais, promovendo continuamente o desenvolvimento empresarial como uma força do bem.


(I. P.) : Em linhas simples, depois da submissão das candidaturas como decorre o processo até serem apurados os vencedores?
(B. C.) : Assim que a candidatura é submetida, passa por um processo de seleção feito por um painel de jurados, composto por especialistas nacionais em empreendedorismo e inovação social. Dessa seleção, os finalistas terão de participar na final nacional, onde deverão fazer uma apresentação da sua ideia. Nesse evento, o júri elegerá o finalista a nível nacional, que participará numa Semana Aceleradora (uma semana de motivação, inspiração e de consultoria) juntamente com os restantes vencedores nacionais e com alguns dos principais empresários e empreendedores do mundo.

A presença na final global será determinada pelo público, que após a Semana Aceleradora poderá começar a votar no concorrente através do site oficial do concurso - www.theventure.com. Quantas mais pessoas votarem neste concorrente, maiores serão as probabilidades de ir à final, e lá apresentar o seu negócio, perante um painel global de especialistas. Na grande final, onde terá a oportunidade de apresentar o seu negócio a um painel global jurados, o participante estará a concorrer ao prémio final.


(I. P.) : Em curso está já a 3ª edição do Chivas The Venture. Qual o balanço que faz das edições anteriores?
(B. C.) : O balanço não podia ser mais positivo, prova disso é o número crescente de inscrições de ano para ano. A primeira edição que contou com a participação de 16 países – dos quais Portugal não fazia parte – teve um resultado surpreendente, com a inscrição de mais de 1000 startups.

A segunda edição foi marcada pela entrada de Portugal e de outros mercados, totalizando 29 países a concurso. No total, o Chivas The Venture recebeu mais de 2.500 candidaturas de startups de todo o mundo, das quais 32 eram startups nacionais, um número significativo dado a dimensão do mercado e do número de startups desta natureza.

Ficamos evidentemente surpreendidos com êxito da iniciativa em Portugal, e este ano esperamos superar esse número. Esperamos sobretudo projetos excecionais que pretendam de forma inovadora transformar comunidades e resolver desafios globais. Queremos conhecer negócios brilhantes, capazes de gerar uma mudança positiva e idealmente passíveis de serem replicados noutros locais do mundo. No caso específico do nosso país, sabemos que os portugueses são por natureza generosos e empreendedores e, por esse motivo, acreditamos que participarão ativamente nesta iniciativa!


(I. P.) : No ano passado, a vencedora do concurso em Portugal foi a ColorADD, sendo que esteve presente na final que decorreu em Nova Iorque.
(B. C.) : A ColorADD fez um percurso fantástico ao longo da primeira edição do Chivas The Venture Portugal, tendo representado exemplarmente o nosso país com aquele que é um dos projetos mais inovadores da área. Miguel Neiva, o fundador da ColorADD foi responsável pela criação de um código de interpretação de cores para daltónicos, de extrema utilidade em várias situações do nosso dia-a-dia nas quais a cor é um elemento relevante na decisão.
No entanto, é importante referir que durante o processo de seleção conhecemos outros projetos igualmente fantásticos, posso referir a título de exemplo a Noocity, com um projeto de agricultura urbana, ou a Beesweet, a primeira empresa da zona Euro que comercializa mel cru aromatizado.


(I. P.) : As empresas vencedoras arrecadam prémios monetários muito expressivos. Mas só a simples participação, o ser candidata ao Chivas The Verture tem algum impacto na atividade das empresas concorrentes?
(B. C.) : O prémio final, de 1 milhão de USD, é obviamente uma importante alavanca para o desenvolvimento dos projetos. No entanto, e conforme já referi, as vantagens de participação neste concurso não ficam pelo valor monetário: para além de representar um desafio diferente para as empresas, colocando-as num contexto internacional, representando uma excelente oportunidade para estabelecer contactos, outra vantagem é a visibilidade que a participação traz aos projetos, aos setores e até aos mercados. É neste sentido que reforçamos junto do público a importância de votar no projeto vencedor a nível nacional, participando assim não só na exposição do concorrente, mas do próprio país.