Opinião: Voluntariado? Sim, VOLUNTARIADO.

No passado dia 5 de Dezembro comemorou-se o Dia Internacional do Voluntariado. Durante o fim-de-semana decorreu o I Congresso Português do Voluntariado. No fim-de-semana anterior, na campanha do Banco Alimentar, bateu-se o recorde do número de voluntários envolvidos, além do recorde no número de toneladas de alimentos recolhidos. Do armazém do Banco Alimentar em Lisboa chegaram notícias das filas de espera para os candidatos a voluntários se poderem inscrever e lançar mãos à obra.

Notícias promissoras. Será por causa do Natal?

Será porque a crise é notícia? O facto das iniciativas de voluntariado serem notícia pode ser um sinal promissor de que os meios de comunicação social vieram para ficar, na cobertura da actividade de um sector, o das organizações sem fins lucrativos, que sempre foi relevante, embora invisível. Esperemos que este interesse não se desvaneça com o fim das festas. De qualquer forma, hoje, a importância da actividade das organizações sem fins lucrativos assume proporções tais, fruto da crise e do aumento da pressão do lado da procura dos seus serviços, que as tornam notícias interessantes. Porque atraem atenção.

Que as organizações saibam aproveitar. E se deixem de pruridos sobre a visibilidade. A visibilidade atrai gente e recursos para as causas.

Um estudo internacional recente dava conta da falta de motivação dos colaboradores das empresas num inquérito a mais de 1000 empresas. Porque não promovem as empresas o voluntariado empresarial? O apoio de um dia ou alguns dias, de alguns colaboradores, a uma causa sem fins lucrativos, dá mais sentido à vida das pessoas, contribuindo ainda para uma sociedade melhor. Além disso, a experiência pode fazer com que alguns passem a ser voluntários regulares de algumas instituições, o que pode ser muito benéfico para o terceiro sector.

Na sequência do I Congresso Português do Voluntariado, que marcou o início da participação do Confederação Portuguesa do Voluntariado (CPV) nas comemorações e actividades do ano Europeu do Voluntariado (2011), a CPV em comunicado à Agência Ecclesia, afirmava que a realidade do voluntariado é “um dom para a mudança do paradigma civilizacional” na sociedade actual. No mesmo comunicado, o presidente da Confederação, Eugénio da Fonseca, assinalava que “é com base na experiência humanizadora da dádiva, isenta de interesses materialistas, que a mudança de paradigma tem de acontecer”.

Há dias, recebi através do site www.impulsopositivo.com, o e-mail de uma pessoa que me pedia apoio na procura de uma oportunidade de colaboração voluntária, porque tinha acabado de ver uma reportagem na televisão e queria ajudar. Sim, a informação ainda não chega a toda a gente. A internet é uma boa fonte. Sites como http://www.voluntariado.pt/, http://www.bolsadovoluntariado.pt/ ou http://www.juventude.gov.pt/voluntariado/ são boas referências.

Porque não experimentar? E contribuir assim para a mudança de paradigma.