Revista IP 27 - Maio/Junho

Índice

 

04 EDITORIAL

 

09 VIVA VOZ

OPINIÃO

Gestão de Pessoas nas Organizações Sem Fins Lucrativos

Patrícia Faro Antunes, Diretora de Responsabilidade Corporativa da Accenture Portugal

Alan Costa, Manager da Accenture Strategy

FÓRUM

Quais são os impedimentos para que as organizações sem fins lucrativos adotem medidas claras de Gestão de Pessoas? O que é urgente fazerem?

Por Pedro Aragão Morais, Setor3; Helena Gata, TESE; Henrique Sim-Sim, Fundação Eugénio de Almeida; Rui Pedroto, Fundação Manuel António da Mota

INTERNACIONAL

“Os feitos humanos ultrapassaram o ser humano”

Por Gijs Pothof, The Future Firm

 

16 CAPA

ENTREVISTAS

Liliana Araújo, Associação do Porto de Paralisia Cerebral (APPC)

Mel Monnington, World Merit

 

26 NO CENTRO

Gill Taylor

Fundación Gestión y Participación Social

 

30 EXPERIÊNCIAS

NACIONAIS

Fundação Couto, Academia Ubuntu, AMI

INTERNACIONAIS

FundaciónMásFamilia e ACEGE, HR Council (Canada), Beyound Impact

 

39 PRÉMIOS & INCENTIVOS

 

44 ARTIGOS TÉCNICOS

A tecnologia da informação ao serviço das organizações sem fins lucrativos

Por Nuno Gama Nunes, Softgoing

Estado do Mercado das Empresas Sociais

Por Pedro da Silva Carvalho, Finance for Social Impact

 

50 FOTOFILANTROPIA

 

 


Editorial

A felicidade de todos, sem exceção

Porquê falar de Gestão de Pessoas no 3º Setor em Portugal, quando falamos de pequenas organizações com estruturas minúsculas e totalmente mergulhadas nas suas causas, sem mãos a medir? Porque acreditamos que só faz sentido querermos contribuir para a qualidade de vida daqueles que nos propomos a servir se tivermos o cuidado e a preocupação de contribuir para a felicidade daqueles que trabalham connosco. Independentemente de sermos grandes ou pequenas organizações. E isso só será possível se oferecermos condições de trabalho dignas, procurarmos formas de liderar inspiradoras, se soubermos se todos estão satisfeitos ou não, empenhados na causa ou não, com ou sem dificuldades em desempenhar as suas tarefas.

Por isso, sabe o que se passa dentro da sua organização, sabe se os seus colaboradores são felizes? De verdade?

A gestão de recursos humanos exige muito trabalho, aparentemente obriga a descentrar da causa mas não é possível esquecer que é pela causa! As consequências de uma boa gestão de recursos humanos são positivamente transformadoras e duradouras. Renda-se e aproveite as sugestões de boas práticas, organizações de apoio, especialistas, ferramentas muitíssimo úteis, mas acima de tudo muita inspiração, que lhe deixamos nesta edição. Porque há muito para fazer. E o céu é o limite. Pela felicidade de todos: dos que colaboram e dos que servimos.

 

Leonor A. Rodrigues