Seis milhões de crianças morrem todos os anos de causas evitáveis

A 20 de novembro assinalou-se o Dia Internacional da Convenção dos Direitos da Criança. A UNICEF assinalou a data recordando que, apesar dos progressos alcançados nas últimas décadas, mais de seis milhões de crianças continuam a morrer, no mundo, todos os anos de "causas que são evitáveis".
São quase 385 milhões as crianças a viver em situação de pobreza extrema e mais de 250 milhões de crianças em idade escolar não estão a frequentar a escola ou a aprender. Há ainda perto de 50 milhões de menores que foram obrigados a abandonar as suas casas e estão atualmente desenraizadas.
“Os direitos das crianças encurraladas em zonas sob cerco – nomeadamente na Síria, no Iraque, no norte da Nigéria — estão ainda mais ameaçados, pois as suas escolas, hospitais e casas têm sido alvo de ataques. A nível global, perto de 250 milhões de crianças vivem em países afetados por conflitos”, refere a UNICEF em comunicado.
A diretora executiva da UNICEF Portugal sublinha que os conflitos, as crises e a pobreza extrema estão “a colocar a vida e o futuro de milhões de crianças em risco”.
“É absolutamente necessário pôr fim a estas violações, investindo mais para chegarmos às crianças mais vulneráveis, ou pagaremos o preço de um crescimento mais lento, de maiores desigualdades e menor estabilidade”, refere Madalena Marçal Grilo.