Por Karen Ferrez Frisch Quando os pais decidem enviar os seus filhos para escolas de músicas, ninguém os questiona por que razões estão a contratar especialistas para apoiar a educação dos seus filhos. É aceite que os pais são os responsáveis pela educação dos filhos, mas que não têm tempo e/ou competências suficientes em todas as áreas do desenvolvimento infantil para dar todo o apoio que os filhos necessitam. Portanto, se uma criança quer tornar-se um músico, contratar um professor de violino faz sentido se queremos que este filho aprenda a tocar este instrumento.
A 7ª edição do Marketplace, o único mercado social do país que junta empresas e instituições sociais no mesmo local, decorre já na próxima semana, a 23 de novembro, em Lisboa. O Impulso Positivo quis saber mais e falou com a promotora do Marketplace, Natasha von Muhlen.
As inscrições para o Marketplace Lisboa estão abertas. Não perca a oportunidade e inscreva a sua empresa ou instituição.
Em setembro, o IES-Social Business School promove dois eventos de apresentação e esclarecimentos dos programas de formação disponíveis para o 2º semestre de 2016.
O roadshow movimento ‘Mais para Todos’ regressa à estrada no dia 5 de setembro. O objetivo mantém-se: sensibilizar, educar e formar mais pessoas para a importância da responsabilidade social e do desenvolvimento sustentável.
Espera-se que o Impact Hub Lisbon abra em junho, depois de serem concluídas as obras de restauração de um pavilhão abandonado, na zona do Beato-Marvila, em Lisboa. Terá espaço para incubar 335 empreendedores envolvidos em projetos com impacto social ou ambiental, através de 250 lugares de cowork, 85 lugares em espaços reservados para startups ou pequenas e médias empresas (PME) e várias zonas para eventos que pode receber até 700 pessoas.
O Serviço Económico da Embaixada da França em Portugal organiza em parceria com a Caixa Geral de Depósitos um seminário sobre o tema «Investimento social, experiências partilhadas França-Portugal», no próximo dia 24 de novembro às 15 horas, na Culturgest, em Lisboa.
Por Karen Ferrez Frisch Quando os pais decidem enviar os seus filhos para escolas de músicas, ninguém os questiona por que razões estão a contratar especialistas para apoiar a educação dos seus filhos. É aceite que os pais são os responsáveis pela educação dos filhos, mas que não têm tempo e/ou competências suficientes em todas as áreas do desenvolvimento infantil para dar todo o apoio que os filhos necessitam. Portanto, se uma criança quer tornar-se um músico, contratar um professor de violino faz sentido se queremos que este filho aprenda a tocar este instrumento.
A eSolidar (www.esolidar.com) nasceu com o objetivo de aproximar a comunidade das instituições de solidariedade, permitindo que para além do comércio eletrónico, fosse possível a qualquer pessoa comprar artigos das lojas solidárias de instituições de solidariedade, fazer donativos, pedir para ser voluntário e colocar artigos à venda ou doá-los. O Impulso Positivo falou com Marco Barbosa, Diretor Executivo da eSolidar, para saber mais.
No próximo dia 23 de junho, às 18 horas, conheça o que são as B Corps – empresas que estão a redefinir o conceito de sucesso nos negócios. Estas empresas cumprem com uma exigente avaliação multidimensional do seu negócio, trazendo, além da perspetiva económica, as dimensões de impacto no meio ambiente, relações com colaboradores e comunidades.
O Padre Samuel Guedes está à frente do Complexo Paroquial de Ferreira, Arreigada e Frazão. Quando chegou, há 20 anos, não havia nada, apenas as Igrejas e pouco mais. Começou por criar as estruturas que lhe permitissem desenvolver o seu trabalho pastoral e social. Hoje, existe também um negócio social de sucesso. O Impulso Positivo foi conhecer Sabores Paroquiais.
Nos próximos dias 26 a 28 de junho decorrerá a próxima edição do Bootcamp IES powered by INSEAD, no Porto.
Imagine que tem a oportunidade de conhecer o Primeiro-ministro. Ele ouviu falar de um novo método para combater o abandono escolar precoce que você pretende importar dos Estados Unidos. O Primeiro-ministro pretende saber mais sobre porque é que as intervenções do governo não têm sido bem-sucedidas e a austeridade está a obrigar a que se corte no orçamento para a educação. No país existe a necessidade de se fazerem maiores investimentos na educação para combater o desemprego a longo prazo, mas o governo não tem mais opções. Esta é a sua oportunidade: "Primeiro-ministro, eu tenho a solução para reduzir para metade o abandono escolar precoce e tenho todos os parceiros para a sua implementação. Não preciso do seu dinheiro. Sou um empreendedor social. Vou encontrar os meios. Mas preciso do seu apoio nos meios de comunicação públicos". Sabe que o Primeiro-ministro vai eventualmente facilitar recursos, no caso do seu método mostrar resultados. Precisa do seu apoio para superar a resistência inicial das administrações das escolas e para convencer outros financiadores a apoiá-lo.
Helena Pizarro, vice-presidente da WelcomeHome contou à IP News como é que esta cooperativa social tem ajudado a mudar não só a vida dos sem-abrigo da cidade do Porto mas também daqueles que a visitam. Visitas guiadas pela cidade, tendo como guia um sem-abrigo. Já ouviu falar? Não vai querer perder.
As candidaturas da próxima edição do Bootcamp em Empreendedorismo Social IES powered by INSEAD foram alargadas para dia 1 de junho.
A Fundação do Gil, irá lançar no dia 31 de maio o seu novo projeto, o negócio social Baby Gil.
A Fundação Inatel está a ultimar os preparativos para a inauguração, em Maio, do seu novo projeto de franchising social que tem como objetivo ajudar pessoas em situação de desemprego a criarem os seus próprios negócios, com especial ênfase na área da restauração e turismo, sob o selo da instituição.
A cidade do Porto é o berço de um novo conceito de turismo solidário, que tem como objetivo proporcionar às camadas menos favorecidas da população jovem o acesso a novas experiências e conhecimento do Portugal mais genuíno. Trata-se do projeto “Hearts and Journey’s”, desenvolvido por um grupo de jovens empreendedores portuenses.
No primeiro dia de 2014 arrancou oficialmente o Banco de Partilha Social, um banco que apela aos cidadãos para que, com apenas 20 euros, se tornem “depositantes”, ajudando a tornar possível a criação de 20.000 novos postos de trabalho e criar uma rede de “anjos da guarda social”.
A colaboração com a Impulso Positivo tem suscitado contactos a questionar a razão de ser da minha “insistência” no tema das empresas e negócios sociais. E os pontos apresentados por esses leitores podem resumir-se da seguinte forma:  Quando os modelos empresariais de gestão e a simples sobrevivência de tantas empresas privadas são postos em causa por todo o lado, porquê esta “fixação no modelo dos negócios e das empresas sociais”?  Não estaremos a tentar formatar respostas que, como Sociedade, nos cabe dar às necessidades crescentes da população, tudo reduzindo, de modo forçado e distorcido, à noção de “negócio”? E com isso, tentando legitimar a importação de conceitos como “mercado” e “estratégia e modelos de gestão”, mesmo se revestidos de uma “roupagem social”?  Que soluções “contranatura” são estas afinal que, pretensamente, invocam para si o mérito de conseguir resolver melhor os problemas, crónicos ou novos, sociais e ambientais?  E afinal, que papel cabe aos poderes públicos na construção e implementação de uma política social e de apoio ao desenvolvimento atuante e eficaz?