Com data de 17 de Abril de 2013, foi publicado no Jornal Oficial da União Europeia o novo regulamento relativo aos fundos europeus de empreendedorismo social - EuSEF. E logo no seu primeiro ponto, o Parlamento Europeu realça o papel do investimento social como fonte de recursos para atividades que as empresas sociais são chamadas a desenvolver, “através das soluções inovadoras que apresentam para problemas sociais, nomeadamente a ajuda para fazer face às consequências sociais da crise financeira…”. O Parlamento atribui às empresas sociais a função de “motores de mudança social, dando um contributo valioso para a concretização dos objetivos da Estratégia ... «Europa 2020: Uma estratégia para um crescimento inteligente, sustentável e inclusivo».”
A nova Lei de Bases da Economia Social, objecto de nossa intervenção nestas páginas, entrou em vigor no dia 7 do corrente. E as reacções recebidas aos nossos textos anteriores justificam que voltemos ao tema, não sem antes sugerirmos, a quem trabalha no (ou se interessa pelas actividades do) Sector, a leitura atenta do referido diploma e, já agora, das posições sucessivamente apresentadas pelos vários partidos políticos, durante todo o processo legislativo que teve lugar na Assembleia da República.
Como tábua de salvação para a crise económica, para a crise financeira e para a crise de paradigmas, têm sido utilizadas ad nauseum no léxico da actualidade nacional e internacional, expressões como empreendedorismo, inovação e desenvolvimento sustentável.
No âmbito das comemorações do Dia Mundial das Comunicações Sociais e do Ano da Fé, a Cáritas Portuguesa (re)lança a revista Cáritas, no próximo dia 16 de maio, às 17h00, no Auditório da Fundação Montepio Geral, em Lisboa, após 22 anos de interrupção.
A não inclusão de uma figura, conceptual e juridicamente definida, de “Empresa Social” na nova Lei de Bases da Economia Social pode querer significar que os poderes públicos, em Portugal, não irão dar prioridade a políticas ou instrumentos de promoção dos negócios sociais. Não devemos, contudo, dar uma importância excessiva a esse facto, pois, se a criatividade e capacidade de iniciativa necessárias para esse efeito não surgem por decreto, também não basta ser aprovada uma nova lei para que tudo fique resolvido.
O negócio social “Linhas sobre Rodas”, criado pelo Social Lab da Fundação EDP e pela SEA – Agência de Empreendedores Soicais, foi o projeto escolhido pela organização do Festival Europeu de Criatividade Eurobest 2012 para “showcase” do Concurso de Jovens Criativos, o “Young Creatives Competition” .
A AMI vai reforçar a divulgação da marca “SOS Pobreza”, que integra diversos produtos de primeira necessidade cujas receitas de venda revertem para os projetos sociais desta entidade.
O Social Lab, da Fundação EDP, e a SEA – Agência de Empreendedores Sociais apoiaram a criação do “Linhas sobre Rodas”, um novo negócio social que será apresentado amanhã, 16 de novembro, em Lisboa.
De acordo com o presidente da AMI, Fernando Nobre, em declarações à LUSA, os produtos vendidos com a marca “SOS Pobreza”, marca solidária lançada por aquela instituição no inicio de julho, estão a ter bom acolhimento junto dos consumidores, como várias superfícies de venda a solicitarem o reabastecimento do stock.
A Fundação EDP anunciou, na passada quinta-feira, os vencedores do programa “EDP Solidária” 2012, que irá apoiar financeiramente 36 projetos de instituições sem fins lucrativos, num total agregado de 503.630 euros, revela aquela entidade na sua página de Facebook.
A Junta de Freguesia de São José, em Lisboa, vai avançar com a recuperação de um prédio devoluto para acolher um hotel social, o primeiro de Lisboa. O imóvel ficará, assim, preparado para albergar pessoas desalojadas em situações de emergência, como derrocadas ou incêndios, mas também sem-abrigo.
A associação Aldeias de Crianças SOS abriu, no final de abril, a sua primeira loja solidária, localizada na Parede, em Cascais. O espaço foi criado a pensar nas crianças de famílias carenciadas, garantindo o acesso, a um custo reduzido, a determinados artigos de criança.
A Associação Cultural e de Apoio Social de Olhão (ACASO) inaugura amanhã, dia 11, pelas 17:00 horas, uma Loja Social para atenuar as dificuldades e necessidades imediatas de famílias a viver em situação de precaridade social.
Em entrevista à IP News, Celso Grecco, responsável pela Bolsa de Valores Sociais (BVS), revelou que está otimista em relação a 2012, ano em que o objetivo é conseguir ter pelo menos mais 6 novos projetos financiados a 100% através da BVS, elevando para 10 o número total já financiado exclusivamente por esta via.
O projeto Retalhos de Esperança é o mais recente projeto financiado a 100% por investidores sociais da Bolsa de Valores Sociais (BVS). Com um investimento total de 5.000 euros, este projeto é desenvolvido pela Associação de Desenvolvimento da Costa Norte da Madeira (ADENORMA). Trata-se de um negócio social de reciclagem de roupa doada destinada a mulheres desempregadas na Ilha da Madeira.
A Young Foundation anunciou o desenvolvimento da Social Life, uma nova empresa social independente de apoio à inovação e que deverá ser lançada em 2012.
Na Conferência "Social Economy and Social Business”, realizada dia 18 em Bruxelas, no âmbito da "Social Business Initiative" da Comissão Europeia, o presidente Durão Barroso, abordou o papel das empresas sociais na construção de um crescimento responsável e sustentável.
Siga em directo, hoje: "Social Economy and Social Business", Brussels, 18.11.2011: http://webcast.ec.europa.eu/eutv/portal/markt/_v_fl_300_pt/player/index_player.html?id=13226&userlocale=pt#
A feira de Natal do BIPP – Banco de Informação de Pais para Pais vai este realizar-se também na cidade do Porto, onde estará entre os dias 28 e 30 de Novembro, no Edifício PT (Boavista), entre as 9h00 e as 19h00. Já em Lisboa, a feira realiza-se dos dias 21 a 26 de Novembro, no Fórum, das 11h00 às 20h00.
uís Vasconcelos, CEO da Acembex, explica como a inovação social faz a diferença Grupo RAR coloca criatividade ao serviço da sociedade A Acembex, empresa de trading de produtos alimentares do grupo RAR, o maior operador português no ramo, desenvolveu um projecto socialmente inovador envolvendo os seus parceiros. Trabalhando a cadeia de valor dos cereais que transacciona, conseguem já abastecer com diversos produtos alimentares duas casas da CrescerSer no Porto. A Vida Económica, através do Impulso Positivo (www.impulsopositivo.com), foi conhecer o projecto Mimo junto de Luís Sena de Vasconcelos, CEO da Acembex, e de Maria José Sequeira e Daniela Silva Melo.