Habitação | Um retrato do acesso à habitação em cada geração

Introduza o seu e-mail

Um retrato do acesso à habitação em cada geração

03/08/2020 | Fernanda Cerqueira

Um retrato do acesso à habitação em cada geração. FOTO UNSPLASH Um retrato do acesso à habitação em cada geração. FOTO UNSPLASH

A decisão de comprar casa para muitos portugueses, independentemente da idade, parece ser cada vez mais difícil. Os mais jovens parecem adiar a decisão de comprar casa, não porque não o queiram, mas porque a riqueza líquida das famílias mais jovens tem reduzido e o acesso ao crédito fica cada vez mais difícil. Para os mais velhos os encargos com o crédito à habitação tendem a prolongar-se e a terminar só após a entrada na idade da reforma.

As conclusões são do estudo 'Habitação Própria em Portugal numa Perspetiva Intergeracional' apresentado pela Fundação Gulbenkian e da autoria de Romana Xerez, Elvira Pereira e Francielli Dalprá Cardoso.

Este estudo destaca o enorme peso do crédito bancário para as famílias portuguesas. Segundo refere «em 2018, 55% do crédito à habitação era detido por pessoas que só acabariam de o pagar depois da idade da reforma».

E refere que «a percentagem de jovens até aos 29 anos com casa própria tem vindo a diminuir drasticamente desde o início do século» e «em 2017, apenas ¼ tinha habitação própria».​ «Ao contrário das gerações anteriores, os Millennials têm uma baixa percentagem de proprietários com hipoteca antes dos 30 anos».

No entanto, «quando inquiridos, 88% indica que gostaria de viver na sua própria casa dentro de 5 a 9 anos». A dificuldade reside, em parte, no facto de «as famílias mais jovens registaram uma redução de riqueza líquida superior a 50% desde 2010» e da «despesa anual média das famílias com habitação ter mais do que duplicado em 26 anos​».

Pode consultar integralmente os resultados deste estudo AQUI.