Saúde e Bem Estar | Flexitarianismo - o "semi vegetarianismo" para uma boa longevidade

Introduza o seu e-mail

Flexitarianismo - o "semi vegetarianismo" para uma boa longevidade

22/05/2020 | Sofia Alçada

Flexitarianismo como regime alimentar. Foto: unsplash Flexitarianismo como regime alimentar. Foto: unsplash

Flexitarianismo é um regime alimentar onde se privilegia os alimentos vegetais, diminuindo o consumo de carne e peixe, que passa a ser consumido apenas em ocasiões especiais. Por isso se tornou conhecida como a dieta do “semi-vegetarianismo” ou “reducitarianismo”.  

No fundo reune o ser “vegetariano” e “flexível” num só conceito. Os adeptos deste tipo de alimentação previlegiam os alimentos de origem vegetal em detrimento da carne e deixam o peixe para ocasiões consideradas como especiais. 

O consumo de carne e peixe está muito enraizado na alimentação mundial, embora se assista a uma tendência de redução do consumo de proteínas animais sendo substituida por vegetais. Na maior parte dos casos, se for bem adotada, a saúde fica a ganhar. Não só pela maior variedade, mas também pela redução do consumo de carnes vermelhas e processadas, classificadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como potencialmente cancerígenas.

As principais inconveniente num regime alimentar vegetariano tem a ver com a falta de vitamina B12  que existe apenas em alimentos de origem animal, e ainda do ómega 3, que está muito associado aos peixes “gordos”, como por exemplo ao salmão.

Como fazer face a estas ausências, tendo uma alimentação completa e nutritiva?

Esta dieta que aqui referimos poderá ser assim a uma das respostas ao ser mais flexivel nas opções alimentares que apresenta. -

- Juntar peixe ao leque de alimentos a ingerir, mesmo que em ocasiões especiais;

- Produtos lácteos como por exemplo os queijos e ou os ovos, poderá ser uma solução para colmatar algumas das carencias acima mencionadas;

- O reforço das leguminosas como o feijão, grão ou as lentilhas; 

- Os frutos secos onde se inclui as nozes, as amêndoas, e as avelãs. 

- A ingestão de sementes, poderá ser igualmente uma boa forma de reforçar a falta de alguns nutrientes acima mencionados. Assim como exemplo de sementes a adicionar na dieta alimentar temaos  as sementes de sésamo, girassol ou abóbora.  

- Os cereais não refinados, como é o caso dos flocos de aveia, do arroz semi-integral ou da massa integral, por serem alimentos mais ricos em aminoácidos e outros nutrientes que são sem dúvida necessários para a nossa alimentação e bem estar geral.

A dieta deve adequar-se a cada fase de vida

O mais importante é que cada dieta se adeque à realidade de quem a pratica notando as tolerâncias e limitações em termos de saúde de cada um. Sendo essencial que haja um acompanhamento por parte de um profissional de nutrição que assegure a correcta aplicação da dieta alimentar para que tenhamos os nutrientes certos em cada fase das nossas vidas.

Como sabemos, as necessidades variam também em função da idade. Para uma boa longevidade, não se esqueça de ter uma boa alimentação, qualquer que seja a dieta que escolha.