Saúde e Bem Estar | Jejum intermitente – sabe o que é?

Introduza o seu e-mail

Jejum intermitente – sabe o que é?

07/08/2020 | Sofia Alçada

Jejum intermitente - Foto: Unsplash Jejum intermitente - Foto: Unsplash

O que é o jejum intermitente e quais a origem?

O jejum intermitente implica concentrar as refeições numa faixa horária e respeitar um período longo, que deverá ser no mínimo de 12horas, sem comer.

Na verdade esta é uma prática milenar e presente na rotina do homem, desde sempre. Todas as religiões incorporam períodos de jejum, como é o caso dos Muçulmanos durante o período do Ramadão, ou dos cristãos durante o período da páscoa em particular na sexta-feira santa.   

Na pré historia, na era do paleolítico, há cerca de 2,5 milhões de anos quando os nossos antepassados caçavam e comiam apenas uma vez por dia.

O jejum implica passar fome?

Na verdade, não. O nosso corpo está preparado para estar horas sem comer.

A prova disso, é a origem deste hábito e a prática em muitas culturas.

Metabolicamente podemos estar vários dias e horas sem comer, que o corpo vai alterando o recurso energético, oxidando a gordura que temos armazenada para obter energia que necessitamos.

Quem faz jejum refere que tem menos fome e menos necessidade de comer.

 

A longevidade e o jejum intermitente

O jejum praticado de forma recorrente, pode prolongar a longevidade, em parte, reprogramando as vias metabólicas e a resistência ao stresse, melhorando a saúde e reduzindo o risco de algumas das doenças crónicas que conhecemos.

Em períodos de jejum vemos por exemplo aumentada a

- limpeza celular,

- a eliminação de resíduos de bacterianos e virais

- a desintoxicação do nosso organismo.

 

A baixa dos níveis de glicose e de insulina após algumas horas de jejum, permitem uma melhoria nos recetores da insulina e da resistência periférica a esta hormona produzida pelo pâncreas.

Melhora ainda processos inflamatórios ajudando em doenças como diabetes, doenças cardiovascular ou autoimunes.

O jejum e os níveis baixos de açúcar permitem o aumento de uma proteína fabricada pelos neurónios e que é indispensável no aparecimento de novos neurónios e na plasticidade cerebral, protegendo contra doenças como Alzheimer e Parkinson.

 

O Jejum como estilo de vida

O Jejum não é necessariamente uma dieta, mas sim um estilo de vida.

Estilo de vida esse que tem importantes implicações na:

- melhoria da saúde,

- aumento da vitalidade e

- maior longevidade.

 

Fonte: O Poder do Jejum Intermitente” de Alexandra Vasconcelos, da editora Planeta